Destinos

Destinos
Destinos

Dicas

Dicas
Dicas

Hotéis e Gastronomia

Hotéis e Gastronomia
Hotéis e Gastronomia

O que fazer com seu cachorro na hora de viajar

pug-correndo
Stella viu sua primeira neve no hotel de cachorros. Foto por Fifi Cats.
Nesse fim de semana eu e o Sebastian vamos para Hamburgo assistir o musical O Rei Leão. Claro que estamos felizes com o nosso passeio por lá e eu vou contar como foi aqui, porém toda vez que vamos viajar (nem que seja por uma noite), pensamos a mesma coisa: o que fazer com o nosso cachorro?

Ainda não temos crianças, mas na hora de viajar também temos um serzinho à considerar: a Stella, nossa puggle de 11 meses. Assim como crianças não impedem uma viagem, seu cãozinho não precisa ser considerado uma barreira.
A primeira coisa que eu considero é se posso levar a Stella conosco. Hoje em dia é muito mais fácil viajar com animais e eles também se divertem muito compartilhando seu tempo de lazer. Quando viajamos à Suíça decidimos levar a Stella com a gente, pois iríamos de carro e a distância não era tão grande: 6 horas de viagem. Na Europa os cães tem seu próprio passaporte com informações como o número de registro (todos os cães tem um chip implantado atrás da orelha) e suas vacinas. O veterinário também assina que o cachorro está saudável para viajar. Agendamos hotéis que eram “dog-friendly” e nos divertimos muito.
Caso não seja possível levar o cachorro junto, eu aconselho à deixá-lo(a) com alguém que o(a) conheça e que também goste de animais. Alguém da família é sempre a melhor opção já que você pode confiar quase cegamente e se seu cachorro(a) causar algum dano você pode repará-lo mais facilmente.


pug-filhote
Como resistir à esse olhar? Foto por Fifi Cats.
Se deixar com um parente ou amigo também não é uma opção, você pode agendar um Dog Spa ou um Hotel de Cachorros. Já deixamos a Stella em dois hotéis de cachorro. A primeira vez viajamos somente 3 dias, por isso ligamos para um hotel que encontramos online e a dona do estabelecimento buscou a Stella na nossa casa. Devido à rapidez com que agendamos o hotel, só vimos como ele era quando fomos buscá-la. Não gostamos do que vimos, todos os cachorros estavam juntos, independente de tamanho, o que muitas vezes pode ser arriscado. Além disso, a Stella parecia mais magra, o que nos fez ficar muito suspeitos com o tratamento oferecido aos animais naquele local.
Na segunda vez, pesquisamos um hotel mais adequado, procuramos por websites e recomendações de conhecidos. Encontramos um hotel localizado em uma fazenda e decidimos fazer uma visita surpresa antes de negociar um contrato. O hotel era adequado, tinham áreas abertas e fechadas, dividiam as fêmeas e machos (a não ser na hora de brincar, quando alguém sempre ficava supervisionando). A dona do lugar nos passou muita confiança e mostrou fotos de alguns “hóspedes”. Quando voltamos para buscar a Stella ela tinha feito amizade com um grupo de pugs e com um filhote de buldogue francês chamado Loui. Ficou super feliz em nos ver, estava bem nutrida e saudável. Ganhamos até um CD com fotos dela brincando com os outros cachorros.


cachorros-brincando
Stella e seu novo amigo. Foto por Fifi Cats.
Outra opção muito comum hoje em dia é contratar uma babá de cachorros. Algumas pessoas oferecem esse serviço e mantém em suas casas um pequeno grupo de animais, geralmente não mais que 3 ao mesmo tempo. Os cachorros podem brincar em grupo e são levados para passear ao menos 2 vezes por dia.
Independente de qual opção você escolher, assegure-se de que seu cachorro será bem tratado e de que você tem confiança na sua escolha, ou então você não irá relaxar nas suas férias como deveria.

P.S.: Obrigada à minha amiga Dai que vai cuidar da Stella nesse fim de semana!


- Milena

Nenhum comentário