Destinos

Destinos
Destinos

Dicas

Dicas
Dicas

Hotéis e Gastronomia

Hotéis e Gastronomia
Hotéis e Gastronomia

Top 10 coisas que me fazem sentir falta do Brasil

Eu e o Sebastian no jogo Brasil vs. Dinamarca. Foto por ?

1. Minha família e amigos
Esse é um ponto óbvio, não é? Quem não sentiria falta de sua família e amigos morando tanto tempo longe? Ainda bem que hoje em dia podemos nos comunicar por Skype ou WhatsApp, mas ainda assim não há nada como o contato pessoal, um abraço, uma noite de risadas na balada, brincar com a minha sobrinha e sair correndo atrás dela. O pior de tudo são as ocasiões especiais: seu aniversário, natal, ano novo. Passei os 3 longe da minha família enquanto morava na França, e, depois de ligar para minha família no natal dizendo “está tudo ótimo” enquanto limpava meu rosto depois de uma choradeira, nunca mais fiz uma dessas e nem pretendo fazer de novo!


Minha família na festa de Ano Novo. Foto feita com timer.

2. A comida
Não adianta, não importa o lugar para qual eu viaje ou há quantos anos já moro no exterior, comida igual a do Brasil não há! Sinto muita falta do mais básico: feijão que não é vendido em lata, churrasco (não carne grelhada, churrasco no espeto mesmo!), brigadeiro, pastel, coxinha, a lasanha da minha mãe, doce de leite, frutas frescas, o nosso café, cachorro quente com mais que salsicha e pepino, pizza doce, carreteiro, prato feito, à la minuta, cuca (não, elas não existem na Alemanha), palmier, docinho de côco... 

Meu primo Alexandre e meu pai preparando aquele churrasco no domingo. Foto por Sebastian Manske.

3. O calor
Fico até depressiva vendo fotos no Facebook dos meus amigos e família na praia, piscina ou até mesmo reclamando do calor. Eu sempre me vi como uma pessoa que adora inverno, até que me mudei para a Alemanha e no meu primeiro inverno “sobrevivi” à -16°C. Durante a Páscoa ainda tínhamos neve, ou seja, de novembro à abril. Hoje em dia me considero fã número 1 do verão. Por aqui o verão dura cerca de 2 meses, sendo que calor mesmo (por volta de 30°C) só uma semana por ano... o resto do tempo nós consideraríamos primavera no Brasil. Por exemplo, estamos ainda no verão aqui e enquanto eu escrevo esse post está chovendo, cinza e 14°C. Isso é verão?! Não vejo a hora de ir para o Brasil e ter aquela sensação de entrar em um forno toda vez que abro a porta de casa. Mal posso esperar por aqueles dias em que suamos até na sombra sem fazer movimento nenhum.

4. A praia
Nunca subestime a importância de poder viver perto da praia. Tem coisa melhor que depois de um dia estressante poder sentar em um banco na Avenida Atlântica em Balneário Camboriú olhando a lua refletindo no mar? Ou simplesmente ler de frente para o mar com aquele cheirinho de protetor solar por todos os lados nas manhãs de domingo? O simples fato de caminhar com os pés descalços já nos deixa mais leve. Tudo isso são coisas que agora infelizmente só posso fazer durante minhas férias, então valorize!


5. Assuntos em comum
Chega ser triste quando você lembra de uma piada do Chaves e não tem ninguém por perto que se quer vai saber do que você está falando. Ninguém que assistiu e tinha a roupa das Chiquititas, que está assistindo a nova novela das 9, que também acha que a Fátima Bernardes parece muito mais feliz do que quando ela fazia o Jornal Nacional, que também já se afogou com bala soft e gostaria de comer um Fandangos de presunto ou um Cheetos tubo, que já não existe mais. Ninguém entende suas expressões como “me caiu os butiás do bolso” e você também não tem saco para procurar uma tradução. Ninguém que leu todos os gibis da Mônica e que tem um caderno com linhas verticais – sem aqueles malditos quadradinhos – com adesivos que você jamais vai utilizar. Ninguém que sente saudades de chimarrão como você sente e que entende como funciona o pagamento de uma camiseta em 12 vezes. Ninguém que vai para o trabalho ou a faculdade ouvindo a Atlântida e rindo com o Pretinho Básico. Ninguém que também gosta de Los Hermanos, O Rappa, Bidê ou Balde e Cachorro Grande.Todos esses assuntos e outros muito mais são perdidos e tudo o que você gostaria era que de vez em quando você pudesse falar sobre eles sem ter que ligar para alguém em outro continente.

                            
No meu aniversário de 2 anos o tema foi a Turma da Mônica. Foto por Lisete Beledelli.

6. O barulho
Sim, o barulho! Almoço em família com um tio falando mais alto que o outro, lojas com rádio tocando ao fundo, todas as refeições acompanhadas por uma novela ou telejornal, risadas, gritinhos de crianças brincando, gritos de pais pedindo silêncio à essas crianças, banda ou tecladista na praça de alimentação do shopping, carro de “5 picolés por R$1,00!”, carro de botijão de gás, carro da pamonha, vendedor de côco na praia, passeata, carreata, comemoração de gol do Grêmio, foguetes e fogos de artifício, música pré balada vinda dos vizinhos, cachorros latindo, o som do mar. 

7. Falar minha língua materna
É simplesmente incrível chegar em um lugar e entender absolutamente tudo sem precisar de esforço nenhum. Pedir algo no restaurante sem se perguntar se a pronúncia é assim mesmo faz o meu dia mais feliz. Poder conversar sobre algo muito específico sem esquecer nenhuma palavra é um sonho. Poder soltar meu gauchês sem ter que procurar uma tradução inexistente para “né”, ”tchê”, “bah” e “capaaaz!?” é o paraíso. O melhor de tudo é também poder expressar todos os meus sentimentos da maneira mais espontânea possível.

8. O contato entre pessoas
Quando morava no Brasil odiava quando ia em uma loja e tinha que ficar explicando minha vida para a atendente ou porque eu preferia a camiseta em branco e não em lilás. Hoje em dia, quando volto “para casa” nas férias, adoro a facilidade que os brasileiros tem em iniciar uma conversa. Também amei quando uma estranha me parou na rua ano passado para elogiar minha sandália. Se ela gostou, porque não falar algo? Tinha até esquecido de como é bom encontrar gente aberta, alegre e conversadeira. 

     O salva-vidas adorou quando o Sebastian pediu para tirar uma foto com ele. Foto por Milena Beledelli.

9. Dia de beleza
Sinto saudade de quando ia para o cabeleireiro e ficava horas por lá. Fazer luzes, cortar as pontas, manicure, pedicure e sobrancelha eram o básico. Por aqui a única coisa que faço no salão são as luzes. Manicure custa por volta de R$80,00 o serviço básico. Pasmem, até para secar o cabelo depois das luzes é cobrado extra se você não secar sozinha. Ou seja, elas te entregam o secador de cabelo e uma escova e você seca como se tivesse lavado em casa. E no final de tudo se prepare, você fica mal vista se não deixar 10% de gorjeta.

10. Os sapatos
Sim, eles fazem diferença! Aqui na Alemanha a maioria das lojas de sapatos se dedicam demais ao conforto e pouquíssimo ao estilo. Vejo muitas sandálias tipo papete, que algumas pessoas aqui ainda usam com meias para ficar mais confortável. Lindo, só que não. 

3 comentários

  1. vou repetir aqui o ¨pequeno¨comentário que fiz no face, rsrs... Querida Milena, adorei seu post como sempre. Acho que tive a sorte de morar em uma cidade que me proporciona praticamente tudo o que você comenta e sente falta... as poucas coisas que não tenho por aqui, aprendi a fazer no quesito comida, que concordo plenamente com você, que igual à comida brasileira não há. Vigo é uma cidade de praia, muito acolhedora, muito bonita, muito segura, tranquila e com clima maravilhoso... Aqui temos calor e frio na medida certa e na época certa e amo o frio que faz por aqui. Se quero ver neve, tenho que viajar uns 50 km e ai é só diversão... mas fico imaginando o quanto deve ser triste e complicado conviver com a neve todos os dias por tanto tempo. Eu teria 10 motivos pra não voltar a viver no Brasil fácil fácil... um deles e principal seria a segurança e esse foi o principal motivo por termos nos mudado pra europa. Concordo plenamente com você pela falta da família, principalmente no meu caso que tenho a família no Brasil e minha filha e genro no E.U.A... isso é complicado. A falta do abraço é uma dor absurda... perder as comemorações também, não ver as crianças crescendo, etc... O calor humano, claro que aqui não é como no Brasil, mas é muito melhor que na Alemanha, rsrs... Adoro a facilidade de ter tudo muito perto de casa... onde moro tenho tudo na esquina praticamente... supermercado (vários), comida pronta, farmácia, frutaria, livraria, veterinário e pet shop, padaria (4 em uma quadra + as do supermercado), igreja (que não é meu forte... rs), estação de trem fica a uma quadra, ponto de taxi, ônibus, Lojas Chinas (rsrs... aos montes), ou seja, tudo mesmo e ainda tenho a felicidade de morar a uns 40 km de Portugal, isso sim que é maravilhoso..., os portugueses são muito parecidos com os brasileiros ou vice-versa, rsrs... e os espanhóis também não ficam atrás. Estou muito feliz por morar aqui, tenho saúde de qualidade, escola, segurança e não tenho que pagar mais por isso (como acontece no Brasil) e é o mínimo que um governo pode fazer pelo seu povo... dar segurança, saúde, educação, transporte, etc... Mas quem sabe um dia isso tudo moda no Brasil, né? Quanto as comidas brasileiras, como coxinha, pastel, kibe, esfiha, pão de queijo, feijoada, churrasco, doces em geral, etc... aprendi a fazer e modéstia a parte, fica muito bom e acredito que até melhor do que alguns que comia por lá e achava maravilhoso... se quiser te dou umas dicas, receitas e te ensino a fazer, rsrs. Beijinhos e saudades... Podemos combinar de nos encontrar aqui por Vigo ou na sua cidade, que tal?

    ResponderExcluir
  2. ah, mas uma coisa sou obrigada a concordar com você... o dia de beleza aqui é praticamente igual ao dai, rsrs... mas aqui secam os cabelos normalmente, rsrs... mas não tenho coragem de pagar 20 euros para fazer as unhas sendo que nem a cutícula eles tiram e pintam tão mal que já cheguei em casa e tive que remover tudo e pintar eu mesma, nunca mais... aprendi a fazer as unhas também, rsrs... e até a cortar os cabelos, pintar (pintei umas duas vezes de preto e nunca mais, rs). Mas quando vou ao Brasil nas férias de julho, já saio daqui com horário marcado com a minha amada amiga Mara, unha dos pés, mãos, cabelo, sobrancelha... uma maravilha, volto até mais leve, rsrs...

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir