Destinos

Destinos
Destinos

Dicas

Dicas
Dicas

Hotéis e Gastronomia

Hotéis e Gastronomia
Hotéis e Gastronomia

Cataratas do Iguaçú: Brasil e Argentina

O arco-íris no lado argentino de Iguaçú. Foto por Milena Beledelli.

No final de 2015, quando fomos para o Brasil para passar as festas de fim de ano com a família, eu, o Sebastian, meus pais, minha irmã, meu cunhado e minha sobrinha visitamos também Foz do Iguaçú, onde vimos as cataratas tanto do lado brasileiro quanto do lado argentino. 


Eu, meus pais e o Sebastian saímos de Balneário Camboriú, em Santa Catarina, e demoramos por volta de 12 horas (e diversos pedágios que cobravam R$ 11,00 por pista simples!) para chegar ao nosso destino no Paraná. Nos hospedamos no San Juan Eco Hotel - um post sobre o hotel será criado - e lá encontramos o restante da família.

Decidimos que veríamos o lado brasileiro de Iguaçú de manhã e o lado argentino durante à tarde. Preferimos não utilizar 1 dia inteiro para cada lado já que estávamos com a minha sobrinha de 3 aninhos, e talvez 2 dias seguidos de aventura seriam cansativos demais para a pequena. 


Lado Brasileiro - Iguaçú



Algumas das quedas d'água em Iguaçú. Foto por Milena Beledelli.

Chegamos cedo no lado brasileiro do parque, que já tinha uma fila extensa porém rápida - creio que ficamos na fila durante 15 ou 20 minutos -. O valor do ingresso para adultos brasileiros no dia em que visitamos o parque era de R$ 33,30. Para crianças e idosos brasileiros R$ 8,00 e para o Sebastian, que não é brasileiro ou proveniente de país do Mercosul, o ingresso custava R$ 56,30.

Depois da entrada no parque, um ônibus nos levou por um caminho onde diferentes passeios poderiam ser feitos, caso agendados separadamente do valor do ingresso. Entre os passeios disponíveis estão algumas trilhas pela floresta e o passeio de bote que vai até o ponto principal das cataratas: a “Garganta do Diabo”.


A ponte da "Garganta do Diabo". Foto por Milena Beledelli.

Não tínhamos agendado nenhum passeio à parte, por isso esperamos para descer do ônibus na última parada. De lá pudemos observar algumas quedas d’água e passear por pequenos caminhos e pontes que davam acesso à "Garganta do Diabo". Como sou muito “sortuda”, enquanto me apoiava em um corrimão de uma das pequenas pontes fui picada por algum inseto - acredito que tenham sido formigas - e senti uma ardência horrível que durou uns 10 minutos (mas não atrapalhou o passeio!).

Mais algumas fotos e finalmente chegamos à "Garganta do Diabo", o ponto mais procurado por turistas que visitam o parque. A experiência mais incrível do lado brasileiro é realmente o passeio pela ponte que passa literalmente dentro da “garganta”. Mas atenção: use capa de chuva! Você vai se molhar à ponto de pensar que está no chuveiro! Alguns desavisados ou “descolados demais” não usaram as capas e tiveram problemas com os aparelhos eletrônicos como câmeras e celulares. Eu usei capa de chuva e óculos de sol e ainda assim fiquei parecendo um panda com o meu rímel escorrido. Nota para mim mesma: nunca mais comprar rímel que não é à prova d’água.



A família "ensopada". Foto por Sebastian Manske.

Depois da ponte que “entra” na "Garganta do Diabo" você pode também ficar pertinho da queda para se molhar ainda mais (esta parte fica ao lado de uma lojinha de souvenires, não tem como perder de vista). Se você cansar e decidir fazer uma pausa para um lanchinho depois de tanta aventura, muito cuidado com os quatis, que são conhecidos por roubarem a comida de turistas no parque. Além disso, tome cuidado, eles são animais selvagens e por isso podem morder quando se sentem ameaçados.

Lado Argentino - Iguazu 


Literalmente no topo de Iguazu. Foto por Sebastian Manske.

Logo após o almoço, cruzamos a fronteira do Brasil com a Argentina para visitar o outro lado de Iguaçú. Já na conferência dos nossos documentos o policial avisou que a entrada para o parque no lado hermano só poderia ser paga em Pesos, nada de cartão de crédito, Reais ou Dólares. Pensei que fosse "esquema" ou que o policial quisesse afastar turistas, mas quando chegamos ao parque percebemos que era verdade. Com sorte tínhamos trocado alguns Reais por Pesos ainda no Brasil.

A entrada para as cataratas no lado Argentino custa R$ 60,00 por adulto para provenientes dos países do Mercosul. Para adultos de outros países, a entrada custa em média R$ 75,50.



O poder e a beleza da natureza em Iguazu. Foto por Milena Beledelli.

Já na entrada ao parque pudemos perceber as diferenças entre o lado brasileiro e o lado argentino de Iguaçú. Na Argentina, o parque tinha muito menos visitantes e tinha um ar mais rústico, ou seja, menos organizado e turístico do que no Brasil e mais parque natural, o que não é necessariamente uma desvantagem. Pegamos um trenzinho até outra área do parque e de lá começamos nosso passeio.

Decidimos caminhar pelo circuito chamado "Circuito Superior" (ao todo são 5 circuitos), que representa uma caminhada de 1750 metros passando literalmente em cima de várias quedas d'água. A sensação ao ver e ouvir a força das águas é emocionante! Parecia um filme, especialmente quando presenciamos um arco-íris que parecia deixar o lugar ainda mais cinematográfico. Tenho que admitir que fiquei mais impressionada com a vista do lado argentino que do lado brasileiro, já que no lado argentino ficamos muito mais perto das cataratas. Os argentinos recomendam ao menos 2 horas para completar o "Circuito Superior" - o que para nós levou ainda mais tempo, já que queríamos tirar várias fotos e aproveitar a vista -.



Sebastian e a selva argentina. Foto por Milena Beledelli.

Devido ao fato de que visitamos as cataratas em uma época de cheia, infelizmente não pudemos fazer o tour que leva até uma sacada de 80 metros de altura diretamente na "Garganta do Diabo". Também por termos ido somente à tarde e demorado bastante no "Circuito Superior", não tivemos a oportunidade de fazer os outros circuitos (o parque fecha às 18:00).

Dicas:


  • Chegue cedo no lado brasileiro para evitar filas. O parque abre às 09:00.
  • Não esqueça de levar sua carteira de identidade em ambos os parques.
  • A entrada do lado argentino é somente aceita em Pesos. Cartão de crédito não é aceito. Dentro do parque você pode comprar produtos com cartão de crédito ou pagar em Reais.
  • Os valores dos produtos no lado argentino são altíssimos: uma garrafinha de água de 500ml custou R$ 11,00.
  • Se você fizer somente o "Circuito Superior" na Argentina, não é necessário levar a capa de chuva.
  • Visite o lado argentino das cataratas, vale muito a pena!
  • Não coma ou beba perto dos quatis. 
  • Se possível, planeje um dia inteiro de visita para cada parque. 

Um comentário

  1. olá, acabei de ver esse artigo, eu tbm fui para Foz do Iguaçu e foi no final de 2014. Assim como vc, eu tbm fui picada por um inseto enquanto eu apoiava meu braço em um corrimão da escadinha. A princípio, achei que fosse apenas 1 prego pelando de quente (tava fazendo um belo calor naquele dia), pois a dor era semelhante a uma dor de uma pequena queimadura. Mas, depois, vi que se tratava de uma picada de um inseto que não consegui ver. O guia me disse que se tratava de uma pequena abelhinha preta, quase difícil de se ver, e que era muito comum os viajantes se queixarem de picadas dessas abelhinhas. Então, eles me deram uma pomadinha e sarou na hora =D

    ResponderExcluir